domingo, 9 de maio de 2010

A MULHER CANANÉIA



TEXTOS


Mc 7:26 – Mt 15:21-28

INTRODUÇÃO
Cananéia, descendente dos cananeus que Josué expulsou da terra prometida, cuja civilização foi centralizada e perpetuada na cidade de Tiro. Jesus foi a esse lugar levando consigo os seus discípulos. Foi uma viagem de aproximadamente trinta milhas até o território de Tiro, e depois de Sidom; essas eram duas movimentadas e ricas cidades portuárias e com um intenso e variado comércio.
Na época de Davi, Tiro mantinha boas relações com Israel (2Sm 5:11). O que não durou muito tempo, visto que, a cidade tornou-se conhecida pelas práticas abomináveis da imoralidade e mergulhada no paganismo, seu rei chegou a afirmar que era deus! (Ez 28). Complicando mais ainda quando do regozijo pelo motivo de Jerusalém haver sido destruída em 586 a.C, porque em detrimento de Jerusalém seu comércio ainda teria mais lucro e prestígio.
Há uma linha de entendimento fiel que afirma que Jesus viajou para essa região gentílica com seus discípulos na expectativa de terem um pouco de privacidade para descansar pelo motivo de não serem conhecidos entre aquele povo. Mas, nem assim Jesus conseguiu esconder-se da presença do povo. Com a chegada de Jesus, queira ou não, uma luz resplandece; o céu se aproxima enquanto que o inferno se afasta para que o milagre aconteça.

Marcos chamava essa mulher de grega e siro-fenícia de nação (Mc 7:26).
Além disto, Mateus a chama de Cananéia (Mt 15:12).
Essa mulher era de nacionalidade e naturalidade dúbia.

Jesus com a intenção de ensinar seus discípulos, foi para os lados de Tiro, território Marítimo chamado Fenícia (Hoje Líbano).


Mc 7:26 E a mulher era grega, siro-fenícia de nação, e rogava-lhe que expulsasse de sua filha o demônio.
Ela tinha dupla nacionalidade, mas dúbia, e ambas destituídas da Glória de Deus – Ali estava o panteão dos deuses. Essa mulher era de uma dignidade semelhante a que tinha a mulher samaritana.

Era um povo que tinha uma ligação com Jesus praticamente assim como tem os maometanos nos dias de hoje.

SOBRE A CIDADE DE TIRO

Tinha antes comunhão com Israel – mas, seu rei chegou a dizer que era deus – Ez 28:2 – cortando assim a comunhão.

COMUNHÃO ENTRE TIRO E ISRAEL

2Sm 5:11 E Hirão, rei de Tiro, enviou mensageiros a Davi, e madeira de cedro, e carpinteiros, e pedreiros, que edificaram a Davi uma casa.

Uma boa comunhão com o povo de Deus pode ser cortada, mediante o esquecimento de que Deus é Deus e soberano sobre todas as nações do mundo. E por incrível que pareça o povo tem uma tendência de facilmente juntar-se aos infiéis. A exemplo disso e entre muitos temos:


ACAZ
“E Acaz enviou mensageiros a Tiglate-Pileser, rei da Assíria, dizendo: Eu sou teu servo e teu filho; sobe e livra-me das mãos do rei da Síria e das mãos do rei de Israel, que se levantam contra mim. Então, o rei Acaz foi a Damasco, a encontrar-se com Tiglate-Pileser, rei da Assíria; e, vendo um altar que estava em Damasco, o rei Acaz enviou ao sacerdote Urias a aparência do altar e o modelo, conforme toda a sua obra” (2Rs 16:7, 10).

OS PRÓPRIOS FILHOS DE ISRAEL

“Então, tornaram os filhos de Israel a fazer o que parecia mal aos olhos do SENHOR e serviram aos baalins, e a Astarote, e aos deuses da Síria, e aos deuses de Sidom, e aos deuses de Moabe, e aos deuses dos filhos de Amom, e aos deuses dos filisteus; e deixaram o SENHOR e não o serviram” (JZ 10:6.

JEOAQUIM

“No ano terceiro do reinado de Jeoaquim, rei de Judá, veio Nabucodonosor, rei da Babilônia, a Jerusalém e a sitiou. E o Senhor entregou nas suas mãos a Jeoaquim, rei de Judá, e uma parte dos utensílios da Casa de Deus, e ele os levou para a terra de Sinar, para a casa do seu deus, e pôs os utensílios na casa do tesouro do seu deus” (Dn 1:1-2).

BELSAZAR

“O rei Belsazar deu um grande banquete a mil dos seus grandes e bebeu vinho na presença dos mil. Havendo Belsazar provado o vinho, mandou trazer os utensílios de ouro e de prata que Nabucodonosor, seu pai, tinha tirado do templo que estava em Jerusalém, para que bebessem neles o rei, os seus grandes e as suas mulheres e concubinas. Então, trouxeram os utensílios de ouro, que foram tirados do templo da Casa de Deus, que estava em Jerusalém, e beberam neles o rei, os seus grandes, as suas mulheres e concubinas. Beberam o vinho e deram louvores aos deuses de ouro, de prata, de cobre, de ferro, de madeira e de pedra. Na mesma hora, apareceram uns dedos de mão de homem e escreviam, defronte do castiçal, na estucada parede do palácio real; e o rei via a parte da mão que estava escrevendo. Então, se mudou o semblante do rei, e os seus pensamentos o turbaram; as juntas dos seus lombos se relaxaram, e os seus joelhos bateram um no outro” Dn 5:1-6. ENTRE ESTES, MUITOS OUTROS.

SOBRE A CIDADE DE SIDOM

Cidade situada numa ilha entre Beirute e Tiro, na Fenícia, atual Líbano. Era um centro de fabricação de objetos de vidro, e o seu povo era dado à idolatria (Jz 10.6; 1Rs 11.5; Is 23.2-4; Ez 28.20-23). Jesus visitou Sidom (Mc 7.24), mencionou Sidom (Mt 11.21) e teve contato com os sidônios (Mc 3.8; Lc 6.17).


SOBRE FENÍCIA
País MEDITERRÂNEO, situado ao Norte de Israel (At 21.2). Suas cidades principais eram os portos de TIRO e SIDOM, de onde foi exportado o CEDRO usado na construção do Templo (1Rs 5.1-10).

SOBRE A MULHER
Essa mulher Cananéia era indigna, mas, persistente;
Não temos informação do seu estado civil, se era mãe-solteira, se era casada, viúva, ou separada;
Jesus a considerou, bem como os seus filhos como “cachorrinhos”, todavia, não no sentido pejorativo, tanto que usou o diminutivo, falando sobre um animalzinho de estimação;
Jesus entra na cidade, e junto seus discípulos;
De repente aparece a mulher gritando: E eis que uma mulher cananéia, que saíra daquelas cercanias, clamou, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoninhada;
A princípio Jesus não lhe dá atenção, todavia ela insistia, na certeza de que ali estava o Filho de Deus e que ali estava o fim do seu sofrimento;
Como sempre, os discípulos não tiveram compaixão, talvez que até pelo legalismo; e questionavam: E OS SEUS DISCÍPULOS, CHEGANDO AO PÉ DELE, ROGARAM-LHE, DIZENDO: DESPEDE-A, QUE VEM GRITANDO ATRÁS DE NÓS;
Jesus sempre tem uma resposta para os durões incomplacentes: E ELE, RESPONDENDO, DISSE: EU NÃO FUI ENVIADO SENÃO ÀS OVELHAS PERDIDAS DA CASA DE ISRAEL;
Então, chegou ela e adorou-o, dizendo: Senhor, socorre-me. Ela era persistente, ela tinha consciência de que chegada era a hora de sua vitória.


FINALMENTE
“Ele, porém, respondendo, disse: Não é bom pegar o pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos. E ela disse: Sim, Senhor, mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores.
Então, respondeu Jesus e disse-lhe: Ó mulher, grande é a tua fé. Seja isso feito para contigo, como tu desejas. E, desde aquela hora, a sua filha ficou sã” (Mt 15:26-27).


- Muitos privilegiados israelitas perderam a bênção;
- Muitos gentios destituídos a receberam Jo 1:11-12.

Durante a primeira guerra mundial, num dos campos de batalha, um soldado alemão tombado ferido – de repente ele ouve o rumor de uma contra ofensiva – um soldado branco o feriu ainda mais – depois veio a dos negros, soldados recrutados das províncias selvagens da África Ocidental – de repente ele sente alguém parar e pousar sobre ele as mãos de um negro crente... NTI.

Certo missionário perguntou a um ministro qual era a melhor forma de edificar uma igreja genuinamente cristã, ao que ele respondeu: há um só modo: temos que atrair o povo pelo amor... NTI.

7 comentários:

  1. Fiquei com dúvida a respeito dessa passagem, o que me pareceu foi que Jesus não quis dar atenção e ele mesmo disse que foi enviado senão as ovelhas perdidas de israel, ou seja, apenas para um povo. Comparando ainda aos outros povos de cachorrinhos. Gostaria de saber em que outras passagens Jesus cita que veio para todos os povos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rodrigo, vou citar apenas um texto. atos 10.leia todo o capitulo. alí Deus derramou o Espírito Santo sobre todos os da casa de Cornélio, e Pedro entende que a salvação é para todos.
      pr. Valdemar.

      Excluir
  2. Deus sabia até onde ia a fé daquela mulher, por esse motivo deixou- a persistir porque Ele sabia que havia chegado a hora dela receber a sua benção

    ResponderExcluir
  3. No desempenhar Seu Santo Ministério, em todos os atos de Jesus havia um motivo salvífico. Uma resposa, uma pergunta e Seu modo de viver no dia a dia, pois Ele para isto veio. As palavras ditas a Zaque, a mulher samaritana. Então na Sua passagem pela cidade mencionada havia um propósto. Ressalto que Deus tem poder sobre todas as coisas, mas Ele deu livre arbítrio ao homem, em face a isto, o homem tem a liberdade de fazer da sua vida o que bem entender, logo, este precisa ser evangelizado, porque assim ele pode mudar de ideia e mudar sua direção de vida; este é o processo denominado de "conversão."

    ResponderExcluir
  4. No desempenhar Seu Santo Ministério, em todos os atos de Jesus havia um motivo salvífico. Uma resposa, uma pergunta e Seu modo de viver no dia a dia, pois Ele para isto veio. As palavras ditas a Zaqueu, a mulher samaritana. Então na Sua passagem pela cidade mencionada acima havia um propósto. Ressalto que Deus tem poder sobre todas as coisas, mas Ele deu livre arbítrio ao homem, em face a isto, o homem tem a liberdade de fazer da sua vida o que bem entender, logo, este precisa ser evangelizado, porque assim ele pode mudar de ideia e mudar sua direção de vida; este é o processo denominado de "conversão."

    ResponderExcluir
  5. Estava pesquisando, para entender bem a questão da origem da mulher que é bem enfatizado no texto. E fiquei surpresa com o comentário do Rodrigo logo acima.
    Como boa reformada creio que Jesus sabia desde de antes da mulher falar o que ela queria. Ele da corda e arranca desta "desprezada" mulher uma declaração de fé digna de uma serva de Deus, da uma lambada no orgulhoso povo judeu=discípulos e na sequencia revela o plano de salvação=inclusão gentios e ainda opera mais um milagre, isso só pra saideira! Este é um texto que amo muito, só discordo no ponto do pastor Jorge em que ele ameniza o termo cãozinho acho que era o mesmo sentido pejorativo usado pelo os judeus, más só usado por Ele com a intenção de dar-lhes uma lição, "que estes "cachorros" alcançaram a benção=salvação.
    De todas as lições a mais dura para os discípulos foi esta, Deus teve que intervir com Pedro, Paulo teve que intervir com Pedro vira e mexe aparecia alguém na igreja primitiva com um jeitinho judaico para as coisas... E sabe, até hj eles não entenderam pois nem o judeu-messiânico crê na igualdade, eles ainda acham que como nação vão ter tratamento especial.
    Abraço pastor seu texto foi de grande ajuda.
    Dani Lima

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir