quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

INCREDULIDADE

QUANDO, ONDE E PORQUE JESUS NÃO PÔDE REALIZAR MILAGRES


INTRODUÇÃO

“Jesus voltou com os seus discípulos para a cidade de Nazaré, onde ele tinha morado. No sábado começou a ensinar na sinagoga. Muitos que o estavam escutando ficaram admirados e perguntaram: —De onde é que este homem consegue tudo isso? De onde vem a sabedoria dele?

Como é que faz esses milagres? Por acaso ele não é o carpinteiro, filho de Maria? Não é irmão de Tiago, José, Judas e Simão? As suas irmãs não moram aqui? Por isso ficaram desiludidos com ele. Mas Jesus disse: —Um profeta é respeitado em toda parte, menos na sua terra, entre os seus parentes e na sua própria casa.

Ele não pôde fazer milagres em Nazaré, a não ser curar alguns doentes, pondo as mãos sobre eles. E ficou admirado com a falta de fé que havia ali. Jesus ensinava nos povoados que havia perto dali”

COMENTÁRIO
O texto acima nos mostra com clareza o motivo que, não poucas vezes, nos impede de receber grandes bênçãos das mãos de nosso Senhor Jesus Cristo. Vemos que certa vez Ele chegou na Sua própria cidade, Nazaré, onde era conhecido de todos.

Jesus era filho de uma família tradicional naquele lugar, inclusive até pelos fatos decorrentes da anunciação do Anjo Gabriel, da gestação da Virgem Maria, Sua mãe, do Seu nascimento, da Sua vida até então, e por fim já no exercício do Seu ministério terreno (Lucas 1:26-31).

Afinal de contas, ele era filho de José, o carpinteiro.
Mesmo sabendo do que vinha acontecendo em torno dele, eles ficaram admirados com Sua vida. Admirados, mas simplesmente por curiosidade. Jesus era bem conhecido em Nazaré, mas não como o Messias. Ele voltou à Sua cidade realizando sinais e ensinando com uma sabedoria jamais vista por Seus conterrâneos e parentes. Eles ficaram espantados e não acreditavam que era verdade o que estavam vendo e ouvindo:

- “que homem é este?! Meu Deus! Outros, Ele é o filho do carpinteiro! É isto mesmo, filho do senhor José e da Senhora Maria!!! Suas irmãs e seus irmãos moram todos aqui! Que cooooisa” Geeeenteeee! (Conjectura minha).

CONFUSÃO QUANTO AO REINO DA TERRA COM O DO CÉU
A princípio os judeus esperavam dele uma reforma política. Quem sabe um plebiscito, ou um “referendum?” – para restaurar o sistema de governo nacional. Eles viviam em uma expectativa de que Jesus os livraria do domínio de Roma. Mas Jesus veio dizendo que seu reino não era deste mundo, e que essa questão de restabelecer o reino a Israel dependia unicamente do Pai (At 1:7-8). Ele veio resolver um problema crônico, a nível espiritual, pelo qual passava o povo de Deus. O objetivo do Mestre para com eles, era o de capacitá-los a propagarem o Reino do céu (At 1:8).

Jesus, percebendo a curiosidade vazia deles, lhes disse: 
- “Um profeta é respeitado em toda parte, menos na sua terra, entre os seus parentes e na sua própria casa” asseverou-lhes o divino Mestre!

O QUE ESPERA A HUMANIDADE DE HOJE
Nos dias atuais, não é diferente, as pessoas conhecem a Jesus, sabem do Seu poder, sabem da Sua forma de operar, bem como, sabem do respeito que a Ele deve ser devotado; mas, em detrimento desta prioridade, desdenham, ultrajam, vilipendiam e banalizam o que é do bom senso. Cada um busca o que lhe convém, mas sempre priorizando o lado material, o que é efêmero. Querem a bênção, mas, não aceitam o abençoador, buscam a seu bel prazer, até mesmo a praga do que é pecaminoso, em nome de Jesus, para amaldiçoar seus desafetos! Querem de tudo, menos obedecer a Jesus.

DAÍ O MOTIVO DA MISÉRIA ESPIRITUAL
“Ele não pôde fazer milagres em Nazaré! Isto mesmo, ele não pode! A não ser curar alguns doentes, impondo-lhes as mãos!” – Ele não pôde! Simples assim! Não deu para Ele operar milagres em Sua própria cidade, em Sua própria casa! E por falar em Sua casa, onde é que Jesus mora hoje? Onde é a Sua casa? Qual seria o Seu endereço? Claro que segundo a Bíblia, a casa dele é o coração de todos aqueles que o aceitam sem restrições como seu único e suficiente salvador.

COMO ESTAMOS
Façamos agora mesmo um exame introspectivo para ver se estamos em condições de receber um milagre feito por Jesus em nossas vidas. Eu disse feito por Ele, e não que acontece por uma mera auto sugestão ou quem sabe, a toque de caixa, ou até mesmo como os carros antigos que quando estavam com a bateria fraca, era necessário a ação da “manícula” para que os mesmo pudessem funcionar.

CONCLUSÃO
Será que não fazemos o mesmo hoje? Pergunto a mim mesmo: será que eu também não estou fazendo como os Nazarenos? Assim, posso estar a impedir a ação de Deus na minha vida, graças a minha arrogância e autossuficiência.

Assim disse o Nazareno em Apocalipse 3:20: - Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo. E mais, ainda em Apocalipse 3:18:  Portanto, aconselho que comprem de mim ouro puro para que sejam, de fato, ricos. E comprem roupas brancas para se vestir e cobrir a sua nudez vergonhosa. Comprem também colírio para os olhos a fim de que possam ver.

Volta Redonda, Rio, 09/07/2013

Pr. Jorge Albertacci


terça-feira, 30 de dezembro de 2014

UI, QUE SUSTO!!!

E, vendo que se fatigavam a remar, porque o vento lhes era contrário, perto da quarta vigília da noite, aproximou-se deles, andando sobre o mar, e queria passar adiante deles, mas, quando eles o viram andar sobre o mar, pensaram que era um fantasma e deram grandes gritos. Porque todos o viram e perturbaram-se; mas logo falou com eles e disse-lhes: Tende bom ânimo, sou eu; não temais. E subiu para o barco para estar com eles, e o vento se aquietou; e, entre si, ficaram muito assombrados e maravilhados” (Mc 6:48-51).

A primeira multiplicação dos pães acontecera. Quando a fome aperta, estando com Jesus dá tudo certo, Ele é o nosso Pastor; e nesse dia que o versículo alude, não foi diferente. As dificuldades chegaram, mas eles estavam com Jesus. É melhor estar com Jesus no deserto, do que na cidade sem Ele. É melhor estar com Jesus sem recurso aparente, do que com muita riqueza sem Ele.

A noite estava se aproximando e falta de pão também se fazia presente; os discípulos como quem ainda não sabiam bem das suas obrigações foram repreendidos pelo Mestre (Mc 6:35-37).

Finalmente, Jesus os obriga a subirem no barco para irem embora, enquanto Ele, ficaria ainda um pouco para oração (Mc 6:45-46) e Jesus viu que eles se fatigavam ao remar, talvez que o pão que haviam comido, ainda estava por digerir.

Jesus se aproxima deles andando sobre o mar; era noite. Eles não conheceram o Senhor! Assustaram! Pensaram que Jesus fosse um fantasma! E começaram a gritar. De alegria? Não! De susto! De medo! Isto mesmo, medo de Jesus!

Quantos que oram: Jesus, abençoa meu filho; Jesus atende, daí a pouco a pessoa esquece do que Jesus fez. Se esquece até do próprio Senhor!

Tributemos a Deus a glória que lhe é devida. Materialmente, quando a pessoa está esquecendo muito as coisas, o médico dá uma solução, receitando certas vitaminas. Mas esquecer de Jesus, não reconhecê-lo, é necessário não simplesmente orar, mas, manter com Ele uma comunhão pelo menos mais estreita.

Confundir Jesus com um outro profeta, com um outro homem, é uma coisa, mas, com uma assombração!!! Só estando mesmo muito desligado.

Pr. Jorge Albertacci
15 de dezembro de 2013
Volta Redonda/RJ


AOS QUE LIDERAM NA IGREJA DO SENHOR JESUS, ESCREVO:

Não permitam que pessoas que usam chavões recheados de palavrões, piadas e se alegram com atos obscenos, cante, pregue ou pratique qualquer outra ministração na Igreja que o Espírito Santo de Deus lhe confiou.

Não permitam cantores heréticos, que negam a Trindade de Deus, ou que suas músicas contenham termos de dupla conotação, ou até mesmo palavrões, cante “para os salvos” porque você como líder seguirá com este para o mesmo caminho da imoralidade, ou seja, para o inferno.

Jamais permitam que “...instituições missionárias duvidosas...” se aninhem no meio do rebanho do Senhor, porque além do rebanho ficar atordoado, acaba ainda, achando que você não faz nada.

Essas instituições além de subestimar sua capacidade ministerial, bem como as dos obreiros que tanto lhe ajudam, ainda levam todos os centavinhos da Igreja e dos incautos irmãos. São raríssimas as exceções!

Não permitam que pregadores caros, preguem nem de graça para o rebanho que lhe foi confiado para apascentar, porque estes, em detrimento da exegese, praticam somente o oposto, ou seja a eisegese, para levar os seu rebanho ao êxtase inconsequente, e tudo quanto você aprendeu do Espírito Santo e passou para eles vai para o brejo, e indubitavelmente, você também. Ainda mais, classificado como servo infiel.

Pr. Jorge Albertacci

Jubilado da Assembleia de Deus do Retiro
Volta Redonda/RIO DE JANEIRO

30/12/2014


A PRONTIDÃO DOS DISCÍPULOS NA EVANGELIZAÇÃO

Sem pensar em honrarias e sem temer dificuldades, eles deixaram suas redes de pescar, e prontamente se dedicaram ao labor de pregar o Evangelho, que “é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê” (Rm 1:16).

Aliás, a Igreja nasceu, quando ninguém tinha do que se orgulhar. O ministério não é motivo de orgulho e não serve para honrar comodistas, atraídos por interesses próprios, sua única finalidade é promover o Reino de Deus entre os pecadores.

Neste caso, o “eu” desaparece, assim como o ponto de vista, a razão e o legalismo radical. Jesus não veio, senão aos perdidos, miseráveis e destituídos da graça de Deus. Ele veio às pessoas que se encontravam fora da sociedade e sem condições para reintegrar-se a mesma, assim como, a mulher samaritana, os publicanos, os leprosos, e etc. (Mt 9:13, 18:11; Mc 2:17; Lc 5:32; Lc 17:12, 19:10).

A prontidão do obreiro constitui-se também, além de empenhar-se inteiramente na obra do Mestre, como atentar para a necessidade que o pecador tem de Deus.

Até mesmo porque, a finalidade precípua do trabalho do obreiro do Senhor, é lutar pela salvação do pecador. O trabalho e este.

Pr. Jorge Albertacci
Volta Redonda, 30 de dezembro de 2014


DA CRUZ AO TRONO

DA CRUZ AO TRONO

Jesus para voltar à destra de Deus Pai, depois de Seu martírio neste mundo tenebroso, teve que primeiro passar pela cruz.
O passar pela cruz, não foi tão fácil assim. Não foi como que se alguém pegasse uma cruz e subisse ao Calvário, sofrendo ou não.

Antes de chegar ao momento da cruz, Ele teve que se submeter a muitas coisas, como humilhação, a hematidrose sofrida no Getsêmani e muitas outras coisas mais.

Perdeu para Barrarás no sorteio sobre quem deveria ser solto ou permanecer preso, para em seguida ser crucificado - (Marcos 15:15). Passou por todas as amarguras, da qual, grande parte do mundo não têm conhecimento.

Mesmo sendo Filho de Deus, o Unigênito do Pai, Ele não pode comer do melhor da terra! – mas, falou do maná escondido, reservado para os Seus na glória eterna. Maná esse, que está guardado, assim como a mãe, que tem seu filho servindo o exército, em uma cidade distante, e que esconde o melhor que ela sabe fazer comer, de todos os outros filhos, aguardando ansiosamente, a chegada daquele que está servindo a nação, em algum lugar distante!

Finalmente, Jesus, o Rei que para chegar ao Trono, teve que primeiro passar pela cruz.
Pr. Jorge Albertacci
30/12/2014


A EVANGELIZAÇÃO NO LIVRO DE ATOS DOS APÓSTOLOS

NO LIVRO DE ATOS HAVIA APENAS DOIS TIPOS DE EVANGELISMO, a saber, evangelismo pessoal, e evangelismo em massa. Mas, dentro de pouco tempo depois da morte dos apóstolos, a controvérsia teológica usurpou o lugar da conquista agressiva de almas para o Reino de Deus, e em consequência disso o resultado foi a apostasia, o desleixo. Ao chegar o IV século, a Idade das Trevas já havia começado, sendo implantado a partir daí a inversão dos valores, os líderes inescrupulosos da igreja passaram a valorizar as propriedades de muitas terras, ao poder humano de indivíduos sem conversão a Cristo que vinham para a igreja somente com a finalidade de lavar não as suas almas, mas, suas riquezas de procedência escusas. E esses indivíduos eram inseridos sem se converterem, sem passarem pelo batismo, no rol dos clérigos.

SOMENTE A PARTIR DO SÉCULO DEZOITO QUE O EVANGELISMO EM MASSA começou a reaparecer comandado por Wesley, mas, o evangelismo pessoal, conforme era praticado pela Igreja Primitiva, não foi ainda redescoberto com a paixão central propulsora da Igreja Cristã Esta geração evangeliza a Igreja, as salas de aulas teológicas, os púlpitos, as congregações, as casas dos crentes, uma reunião e outra da Igreja, mas, não o mundo. Isto é simplesmente incrível! O edifício da Igreja tornou-se a área mais segregada na terra - o local onde grupos denominacionais se reúnem e ministram a si mesmos em isolamento.

OS CRENTES SE ENCONTRAM ENCLAUSURADOS E TRADICIONALMENTE FIXOS DENTRO de um grupo de frases cuidadosamente elaboradas que chamamos de nossa Declaração Doutrinária. Fora desse conceito humano tudo é anátema, e com isso a evangelização sofre detrimento, visto que, o ponto de vista humano deve ser observado minuciosamente, respeitando os paradigmas, e partindo desse princípio a evangelização na forma da Igreja Primitiva não dá para ser levada a efeito, porque são tantos esses princípios formais que não há lugar para a genuína evangelização.

COMO SE JÁ NÃO BASTASSE AS FORMALIDADES LEGAIS A SEREM OBSERVADAS pelos pastores presidentes de Igrejas, no sentido de “Dar a César o que é de César, e a Deus o que é dele” - ainda há outras impeditórias, sob o pretexto de tem que ser tudo certinho que são formadas na cabeça dos que poderiam estar desimpedidos para buscar os pecadores para o edifício da Igreja.

NUNCA TIVE DIFICULDADES PARA DESEMPENHAR o ministério de evangelizador, também nunca me faltou recurso para adquirir as literaturas necessárias, Deus sempre me supriu delas.

OUTRO MINISTÉRIO QUE DEUS ME CONFIOU, FOI O DA MÚSICA
Tive o privilégio de aprender música junto com o Pastor José Israel do Nascimento. Assim como, as coisas são realçadas com um enfeite, a música não veio como um substitutivo, mas veio para complementar o evangelismo pessoal que fazíamos. As músicas que executávamos com os metais na banda, nos quartetos e corais impeliam os pecadores para o edifício da Igreja, facilmente eles vinham atraídos pelos hinos de Deus e se convertiam. Eram novos músicos e novos coristas se ingressando para conquistarem outros para Cristo. Nessa época havia nas Igrejas muitos crentes que haviam entrado pela primeira vez na Igreja pelo ouvir a execução de um hino para o Senhor. As músicas eram suáveis e atrativas, o Espírito Santo operava e o pecador não resistia.

UMA EXPERIÊNCIA INUSITADA EXPERIMENTADA POR MIM: - os crentes que vem ao Senhor através da música, normalmente são afáveis, mansos e facilmente choram na presença do Senhor.

NOSSA INSISTÊNCIA TEM SIDO ACIRRADA PARA ALISTAR HOMENS E MULHERES para o edifício da Igreja na expectativa de que lá eles se decidirão aos pés de Cristo, e isso é estimulante para os poucos que já frequentam a Igreja. Mas temos esquecido do mais importante, é que, aproximadamente 90% dos pecadores jamais entrarão numa Igreja, portanto eles nunca poderão ser ganhos para Cristo.

FICAMOS ENTUSIASMADOS com a presença de uma pessoa importante, da alta sociedade, quando essa adentra os átrios do Senhor, e as vezes até lhe oferecemos um bonita Bíblia de Estudo, mas, os outros milhões se virem terão essa deferência.

É COMUM NÓS INVERTERMOS AS COISAS, não é a classe, as diferentes sociedades, a Igreja, DEPOIS Cristo. Em tudo, Cristo deve estar em primeiro lugar, depois a Igreja.
Essa falha predomina na Igreja de hoje, a falta de incentivar e ensinar os crentes a ganhar almas para Cristo - mas, ganhá-las lá onde elas estão, na fábrica, no comércio, no parque, nas ruas, nos lares, nas escolas, nas faculdades.

A CONQUISTA PESSOAL DE ALMAS desenclausura o leigo e leva-o para fora da Igreja, o qual deixa de ser um mero "ouvinte da Palavra". De repente ele entra na arena e torna-se um "pregador da Palavra". Um reavivamento de evangelismo pessoal será uma redescoberta do Espírito do cristianismo do Novo Testamento.

Jorge Albertacci
30/12/2014

O QUE REFLETE O NOSSO ROSTO PARA ESTE MUNDO?

O QUE REFLETE O NOSSO ROSTO PARA ESTE MUNDO?
At 6:8-15
1.    2Co 3:18  Mas todos nós, com cara descoberta, refletindo, como um espelho, a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória, na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.

     “Paulo fala da ousadia que  temos para sem véu falar com Deus, quando e onde quisermos, (Hb 10:19-22) refletindo a glória de Jesus; transmitindo a semelhança de Deus” (Gn 1:26)

2.    Gn 33:10  Então, disse Jacó: Não! Se, agora, tenho achado graça a teus olhos, peço-te que tomes o meu presente da minha mão, porquanto tenho visto o teu rosto, como se tivesse visto o rosto de Deus; e tomaste contentamento em mim.

“O encontro de Esaú, com seu irmão gêmeo, Jacó, para o qual, havia vendido seu direito de primogenitura (Gn 25:30-34) tendo depois perseguido para matá-lo (Gn 27) finalmente reconciliam-se e em um encontro maravilhoso, Jacó faz a seguinte declaração: porquanto tenho visto o teu rosto, como se tivesse visto o rosto de Deus – Gn 33:10) Que testemunho maraviLhoso!”

3.    Êxodo 3:6 - Disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó. E Moisés encobriu o seu rosto, porque temeu olhar para Deus.

“Deus lembrou-se das promessas aos patriarcas segundo a aliança e identificou-se como o Deus deles (Gn 26:24; 28:13; 31:42; 32:9, Moisés escondeu o rosto, em respeito ao Senhor.”

4.    Êx 10:28 - E disse-lhe Faraó: Vai-te de mim e guarda-te que não mais vejas o meu rosto; porque, no dia em que vires o meu rosto, morrerás.

“Moisés respondeu: bem dissesse, eu nunca mais verei o teu rosto” Êxodo 10:29, o adversário, também tenta com o seu rosto impor o respeito que nunca fez jus, assim como Moisés devemos rebate-lo.” 

5.    Êx 34:29 - E aconteceu que, descendo Moisés do monte Sinai (e Moisés trazia as duas tábuas do Testemunho em sua mão, quando desceu do monte), Moisés não sabia que a pele do seu rosto resplandecia, depois que o SENHOR falara com ele.

“Quando temos contato com Deus, nosso rosto testifica, nossa face externa o que vai dentro de nós. Assim como Pedro tentou se disfarçar, quando os homens que prenderam Jesus e o levaram até a casa do Grande Sacerdote Caifás, onde estavam reunidos alguns mestres da Lei e alguns líderes judeus, onde começaram a agredir Jesus, física e emocionalmente. Pedro que estava à parte, no lado de fora, mesmo querendo, não conseguia provar que não era da linhagem de Jesus” (Mt 26:72-74; Mc 14:71).

6.    Êx 34:30 - Olhando, pois, Arão e todos os filhos de Israel para Moisés, eis que a pele do seu rosto resplandecia; pelo que temeram de chegar-se a ele.

“A liderança de Moisés foi confirmada pela luz da glória de Deus refletida no seu rosto. Em temerem achegar-se a ele, não significa que estavam com medo, mas o respeito imposto pela manifestação da glória de Deus em seu rosto.”

7.    2Cr 9:23 - E todos os reis da terra procuravam ver o rosto de Salomão, para ouvirem a sua sabedoria que Deus lhe dera no seu coração.

“Salomão escolheu sabedoria – Ex 1:7-10, exemplo.:  Rainha de Sabá procurou ver o rosto de Salomão e entusiasmada disse ao rei: Foi verdadeira a palavra que ouvi na minha terra acerca dos teus feitos e da tua sabedoria. Porém não cria nas suas palavras, até que vim, e meus olhos o viram; e eis que me não disseram a metade da grandeza da tua sabedoria – (2 Cr 9:5-6. O rosto do homem refletia a glória pela escolha que fez quando Deus lhe disse pede-me o que queres que Eu te darei.”

8.    Nee 2:2 - E o rei me disse: Por que está triste o teu rosto, pois não estás doente? Não é isso senão tristeza de coração. Então, temi muito em grande maneira.

“O tema principal de Esdras e Neemias é que Deus opera soberanamente por meio de agentes humanos responsáveis, afim de realizar o seu propósito redentor. Desenvolvemos este tema em Neemias com a atenção especial à reconstrução e dedicação das muralhas defensivas de Jerusalém. E isto é despertado através do rosto de Neemias, Deus mostra a Artaxerxes a necessidade de Jerusalém no rosto desse homem responsável.  Como estaria alegre?”

9.    Pv 15:13 - O coração alegre aformoseia o rosto, mas, pela dor do coração, o espírito se abate.

“O coração para estar alegre, é preciso que nele esteja habitando o Espírito Santo, e isto pode ser entendido pelo rosto do crente. O rosto do indivíduo externa o que vai dentro do seu coração”

10.                      Pv 17:24 - No rosto do sábio se vê a sabedoria, mas os olhos do louco estão nas extremidades da terra.

“Assim como o de Salomão, o rosto de um servo cheio do Espírito Santo, é desejado em todo o momento, por promover a sabedoria que vem de Deus. Os olhos dos loucos (ímpios) em nada edifica a ninguém, estão cheio de lascívia, prostituição, adultério, fornicação,  roubo, corrupção e tudo mais que desagrada a Deus.”

11.                      Is 3:9  - A aparência do seu rosto testifica contra eles; e publicam os seus pecados como Sodoma; não os dissimulam. Ai da sua alma! Porque se fazem mal a si mesmos.

“Deus determinando juízo contra Israel, e isto se via na cara, o pecado de um povo obstinado. A  aparência do seu rosto fazia-se notório sua condição pecaminosa, assim como era patente o pecado dos sodomitas. Que reflete nosso rosto para este mundo deteriorado, atolado no pecado, a glória de Deus? Ou o mesmo que o mundo manifesta? Dá para se notar em nosso rosto que estamos realmente livres da condenação eterna? Ou deixa transparecer que estamos "sub judice"?”

12.                      Dn 9:8 – Ó SENHOR, a nós pertence a confusão do rosto, aos nossos reis, aos nossos príncipes e a nossos pais, porque pecamos contra ti.

“Confusão,  rosto de santo manchado, mascarado pelo pecado. Diante de tal situação, Daniel faz uma oração que pode ser dividida em quatro partes, a saber: a) adoração (V. 4); b) confissão de pecados (Vs 5-11; c) reconhecimento da justiça de Deus em seu julgamento contra o pecado (Vs 11-14); e d) um apelo pela misericórdia de Deus.”

13.                      At 6:15 - Então, todos os que estavam assentados no conselho, fixando os olhos nele, viram o seu rosto como o rosto de um anjo.

“O primeiro mártir, mesmo diante de seus algozes, era cheio de fé e de poder, fazia grandes prodígios e sinais, era poderoso em palavras (as más conversações corrompem os bons costumes 1Co 15:33). Com toda a razão resistia as falsas testemunhas e diante de todos, seu rosto foi visto como o rosto de um anjo, manifestando a glória de Deus. Suportaríamos tais acusações sem deixar de manifestar em nosso rosto a glória de Deus? Os crentes de hoje são cheios de razão e por esta pleiteia até o outro nu, se puder”

14.                      Tg 1:23 – Porque, se alguém é ouvinte da palavra e não cumpridor, é semelhante ao varão que contempla ao espelho o seu rosto natural.

“Para o mero ouvinte, a Palavra de Deus não tem valor algum, mas, quando cumpridor, a Palavra promove vida abundante. O mero ouvinte, contempla seu rosto no espelho, como se contempla um rosto qualquer, natural; não vê em seu rosto a manifestação da glória de Deus”

15.                      Mt 26:57-63 – Prenderam Jesus, e Pedro seguiu de longe, mas em tudo ele parecia com Jesus. Tentou disfarçar-se diante do povo, mas, nele havia as marcas de Jesus, seu rosto mostrava Jesus, suas palavras, seu jeito de ser mostrava que ele pertencia a Jesus, o Senhor.

16.                       Gênesis 24:7 – O SENHOR, Deus dos céus, que me tomou da casa de meu pai e da terra da minha parentela, e que me falou, e que me jurou, dizendo: À tua semente darei esta terra, ele enviará o seu Anjo adiante da tua face, para que tomes mulher de lá para meu filho.

“O amor que ainda paira sobre a humanidade a partir deste episódio tem sido uma inesgotável fonte de inspiração para os celebrantes de cerimônias de casamento. A ordem de Abraão, o pai, para Eliezer, o servo maior, para buscar a esposa para Isaque, o filho. Tudo de certo, porque adiante da sua face (rosto) ia o Anjo do Senhor, esse Anjo foi que inspirou a Eliezer, junto à fonte a fazer a oração: dá-me hoje bom encontro”. Antes de qualquer coisa, tenhamos o Anjo do Senhor diante da nossa face!”

17.                       Atos 3:4 – E Pedro, com João, fitando os olhos nele, disse: Olha para nós. “Pedro e João subiam “juntos!” ao Templo na hora da oração, o coxo os aborda pedindo, eles nada tinham a não ser o poder de Deus em suas vidas; responde para o coxo: - olha para nós (nossa face, nosso rosto!!!)  E disse Pedro: Não tenho prata nem ouro, mas o que tenho, isso te dou. Em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda. E, tomando-o pela mão direita, o levantou, e logo os seus pés e tornozelos se firmaram. E, saltando ele, pôs-se em pé, e andou, e entrou com eles no templo, andando, e saltando, e louvando a Deus. E todo o povo o viu andar e louvar a Deus.

“Não precisou de muita coisa; não precisou de estardalhaço; não precisou de gritaria; não precisou de nenhum objeto; de qualquer utensílio; não precisou de jejuar três dias;  não precisou de subir a monte; não precisou de ultrajar o coxo, por alguma maldição hereditária ou não; não precisou de auto gabolice. Precisou somente do brilho do Santo Espírito na face!

Pastor Jorge Albertacci
13 de outubro de 2004